29/11/2017 17:13:15 | Atualizado em 29/11/2017 21:15:34

Governo anuncia construção de um grande hospital, mas deixa o pequeno inativo

Governo anuncia construção de um grande hospital, mas deixa o pequeno inativo

­Em solenidade de entrega de equipamentos de segurança aos Bombeiros e PM, governador oficializou a construção do Hospital Regional da Grande Dourados - 24/11Por José Roberto de Almeida

 

O governador Reinaldo Azambuja anunciou investimentos de R$ 52,6 milhões para construção do Hospital Regional de Dourados e atender a uma região com 34 municípios, com mais de 800 mil habitantes. A obra será construída em terreno doado pela família do empresário Adão Parizotto, ao lado da BR-163, na saída para Ponta Porã.

Com R$ 3 milhões já empenhados pelo governo federal, segundo disse o governador, a licitação já foi aberta para se iniciar a construção o mais rapidamente possível. "É uma obra que tem todo o desenho financeiro equacionado, serão 220 leitos, 40 UTIs e 6 salas cirúrgicas que vão atender a toda a região da Grande Dourados", disse Azambuja.

Os recursos são oriundos de emendas ao orçamento da União propostas pelos deputados federais Geraldo Resende, R$ 15,9 milhões, e Dagoberto Nogueira, R$ 3,7 milhões, do senador Valdemir Moka, R$ 7,6 milhões, e do hoje vereador Marçal Filho, R$ 4,4 milhões, obtidos em seu segundo mandato de deputado federal, em 2014. O governo de Mato Grosso do Sul entrará com R$ 21 milhões dos investimentos anunciados para o hospital.

Há ainda a previsão de construir um avançado Centro de Diagnóstico por Imagens e Exames Laboratoriais, proposto por Geraldo Resende e em vias de aprovação pelo Ministério da Saúde, da ordem de R$ 7 milhões, o que daria praticamente R$ 60 milhões investidos neste futuro complexo de saúde pública.

CRÍTICA

A população de Dourados fica na expectativa da concretização de mais uma promessa, pois, em julho de 2015, como registrou a Revista Corpo & Mente, o governador Reinaldo Azambuja usou da mesma pompa para anunciar R$ 1,2 milhão para transformar o antigo Hospital São Luiz no Hospital Regional de Cirurgias da Grande Dourados.

O objetivo era atender à população mais pobre, através do SUS, com cirurgias eletivas, das áreas vascular, ortopédica, ginecológica e urológica, por exemplo. Esse hospital funcionou por menos de um ano e está hoje de portas fechadas e com equipamentos às moscas. Na reunião da semana passada na Aced, o governador se limitou a dizer que "uma empresa privada deve assumir a gestão daquele hospital".

De fato, existe um edital de chamamento para seleção de uma O.S., organização social, que assuma e reative este hospital de pequenas cirurgias. Segundo profissionais ouvidos pela Corpo & Mente, o hospital está parado há mais de um ano e há novamente cerca de dois mil pacientes à espera de uma cirurgia pelo SUS, em Dourados e região – que poderiam muito bem já terem sido atendidos.

A questão já chamou a atenção do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, porque, apesar de pequeno, o antigo Hospital São Luiz pode prestar um grande serviço à população. 

 

Links externos:

MP vai investigar irregularidades de gestão de hospital de MS fechado há quase um ano

Escolha de empresa para gerenciar hospital de cirurgias emperra de novo

Hospital Regional de Cirurgias da Grande Dourados interrompe atendimentos

Driblando a crise na saúde, governador Reinaldo Azambuja inicia implantação de hospital para cirurgias eletivas em Dourados

Comentários